Você está aqui: Página Inicial / Olimpíadas / O Brasil nos Jogos / Pequim-2008

Pequim-2008

A maior delegação da história

Para os brasileiros, as Olimpíadas de Pequim entraram para a história por vários episódios marcantes. O primeiro deles ocorreu antes mesmo de as competições começarem, quando o país enviou à China a maior delegação em toda sua trajetória olímpica. O número de 277 atleta s incluiu, ainda, o recorde de mulheres brasileiras nos Jogos: 133. Além disso, outra marca foi estabelecida: a de 32 modalidades com esportistas brasileiros.


Inédito ouro nas piscinas
Para a natação brasileira, os Jogos de Pequim representaram o ápice de um caminho iniciado em 1952, em Helsinque, quando Tetsuo Okamoto conquistou a medalha de bronze nos 1.500m livre. Desde então e até a disputa na China, os nadadores do país haviam subido ao pódio outras oito vezes, mas nenhum deles tinha conseguido conquistar a medalha de ouro.

Essa escrita foi quebrada quando o paulista Cesar Augusto Cielo Filho surgiu de forma definitiva para o mundo, ao conquistar a medalha dourada nos 50m livre, com direito a recorde olímpico. Alçado ao posto de novo herói do esporte nacional, ele ainda faturou em Pequim a medalha de bronze nos 100m, resultado que confirmou sua posição de novo destaque do planeta nas provas de velocidade da natação.

# Cesar Cielo sagrou-se campeão olímpico em Pequim, na prova dos 50m

Cesar Cielo sagrou-se campeão olímpico em Pequim, na prova dos 50m



Maurren e a glória no atletismo
Ao contrário da natação, modalidade em que o Brasil jamais tinha visto, antes de Pequim, um de seus atletas se tornar campeão olímpico, no atletismo o país já tinha dois heróis antes dos Jogos da China. Em Helsinque-1952, apenas na terceira participação brasileira em Olimpíadas, Adhemar Ferreira da Silva conquistou o ouro no salto triplo, feito que ele repetiria quatro anos depois, nos Jogos de Melbourne-1956. Depois dele, o Brasil teria que esperar mais 28 anos até que Joaquim Cruz voltasse a marcar o atletismo nacional com um ouro olímpico, o que ocorreu em Los Angeles-1984, na prova dos 800m.

O que nunca tinha acontecido até Pequim, entretanto, era que o Brasil produzisse uma esportista campeã olímpica no atletismo. Isso mudou quando a paulista Maurren Maggi cravou 7,04m na final do salto em distância e superou, em apenas um centímetro, a russa Tatyana Lebedeva. Maurren conquistou o ouro e se tornou a primeira brasileira da história a conquistar a medalha dourada, não só no atletismo, mas também em provas individuais de qualquer modalidade nos Jogos.

CBAt

CBAt # Maurren Maggi tornou-se a primeira mulher brasileira a conquistar o ouro em esportes individuais

Maurren Maggi tornou-se a primeira mulher brasileira a conquistar o ouro em esportes individuais



A consagração do vôlei feminino e de José Roberto Guimarães
Foi também em Pequim que uma das modalidades de maior popularidade no Brasil finalmente viu as mulheres conquistarem o ouro olímpico. Quatro anos antes, em Atenas-2004, a Seleção Brasileira de vôlei feminino, liderada pelo técnico José Roberto Guimarães, campeão com os homens nos Jogos de Barcelona-1992, havia ficado muito perto da sonhada decisão olímpica quando, na semifinal diante da Rússia, obteve a vantagem de 24/19 no quarto set (as brasileiras lideravam por 2 sets a 1). Incrivelmente, embora precisasse de apenas mais um ponto para fechar a partida, as brasileiras permitiram uma virada espetacular das russas no quarto set. Não só perderam aquela parcial por 28/26, como o jogo, após derrota de 16/14 no tie-break. Abaladas, elas perderiam também a medalha de bronze para as cubanas.

O trauma de Atenas, entretanto, foi apagado completamente em Pequim. Com uma campanha perfeita de oito vitórias, ressaltada pelas estatísticas de 24 sets vencidos e apenas um perdido, o Brasil sagrou-se campeão ao derrotar os Estados Unidos na decisão por 3 a 1. A ponteira Paula Pequeno foi eleita a melhor jogadora de vôlei das Olimpíadas, e José Roberto Guimarães entrou para a história como o único treinador em todos os tempos a ter levado uma seleção masculina e uma feminina ao ouro olímpico.

Alexandre Arruda/CBV

Alexandre Arruda/CBV # Zé Roberto entrou para a história como o único treinador a levar o ouro no masculino e no feminino

Zé Roberto entrou para a história como o único treinador a levar o ouro no masculino e no feminino



Mais 12 medalhas
No vôlei masculino, a Seleção do técnico Bernardinho parou diante dos Estados Unidos, que venceram a final por 3 a 1. Outra seleção que ficou com a prata foi a de futebol feminino, que viu o sonhado ouro ir parar nas mãos das norte-americanas, que triunfaram na final por 1 a 0. Também de prata foi a medalha conquistada no vôlei de praia, com Marcio Araújo e Fábi o Luiz, que perderam para os norte-americanos Todd Rogers e Phillip Dalhausser por 2 a 1 na final. O Brasil ainda conquistou a prata na vela, com Robert Scheidt e Bruno Prada, na classe Star.

Além das quatro medalhas de prata, o país conquistou oito medalhas de bronze. Três delas vieram do judô, com Ketleyn Quadros (que conquistou a primeira medalha olímpica feminina da história do país em disputas individuais), Leandro Guilheiro e Tiago Camilo. Ainda nas lutas, Natália Falavigna subiu ao pódio no taekwondo. Na natação, Cesar Cielo foi bronze nos 100m livre. Na vela, Fernanda Oliveira e Isabel Swan terminaram em terceiro na classe 470, mesmo resultado de Ricardo e Emanuel no vôlei de praia. Quem também ficou com o bronze foi a Seleção Brasileira de futebol masculino, que venceu a Bélgica por 3 a 0 na disputa do terceiro lugar.

Classificação por total de medalhas

* As medalhas de ouro foram conquistadas com a Seleção Brasileira de vôlei feminino; no atletismo, com Maurren Higa Maggi no salto em distância; e na natação, com Cesar Cielo Filho nos 50m livre. As de prata vieram com a Seleção Brasileira de futebol feminino; com a Seleção Brasileira de vôlei masculino; na vela, com Robert Scheidt e Bruno Prada, na classe star; e no vôlei de p raia, com Marcio Araújo e Fabio Luiz. As de bronze foram conquistadas com a Seleção Brasileira de futebol masculina; no judô, com Ketleyn Quadros, Leandro Guilheiro e Tiago Camilo; no taekwondo, com Natália Falavigna; na natação, com Cesar Cielo Filho, nos 100m livre; na vela, com Fernanda Oliveira e Isabel Swan, na classe 470; e no vôlei de praia, com Ricardo Santos e Emanuel Rego