Você está aqui: Página Inicial / Olimpíadas / O Brasil nos Jogos / Los Angeles-1984

Los Angeles-1984

O show de Joaquim Cruz

A edição de Los Angeles é histórica para o atletismo brasileiro. Nos Estados Unidos, o brasiliense Joaquim Cruz foi o grande destaque da prova dos 800m e, consequentemente, da delegação nacional. Deixando para traz o rival britânico Sebastian Coe, Joaquim disparou no fim da prova e cruzou a linha de chegada em 1min43s, estabelecendo um novo recorde olímpico, que só seria derrubado em 1996, em Atlanta, pelo norueguês Vebjoern Rodal (1min42s58). Coe veio logo atrás, com 1min43s64, seguido pelo norte-americano Earl Jones, com 1min43s83.

A medalha de ouro de Joaquim Cruz foi a última do atletismo masculino do Brasil em Jogos Olímpicos. A modalidade só viria a repetir o feito em 2008, em Pequim, com Maurren Maggin, no salto em distância.

CBAt
CBAt # Joaquim Cruz quebrou o recorde olímpico e faturou o ouro para o Brasil
Joaquim Cruz quebrou o recorde olímpico e faturou o ouro para o Brasil


Cinco pratas
Embora o Brasil não tenha, em Los Angeles, superado o recorde de duas medalhas de ouro conquistas em Moscou-1980 na vela, nos Estados Unidos o Brasil arrebatou o maior número de pódios de sua história olímpica, dobrando a quantidade obtida na Rússia. No futebol, a Seleção masculina avançou à final, mas caiu diante da França, por 2 a 0, ficando, assim, com a medalha de prata com um time que tinha, entre outros, o goleiro Gilmar, Dunga e Mauro Galvão.

Quem também parou na final foi o lendário time de vôlei liderado pelo levantador William e que tinha no elenco nomes como Bernard, Renan, Montanaro, Xandó, Amauri, Bernardinho e Marcus Vinícius, este último o atual superintendente executivo de esportes do Comitê Olímpico Brasileiro (COB) . Na primeira fase, o Brasil não teve problemas para superar o time dos Estados Unidos, que tinha no elenco o lendário Charles “Karch” Kiraly. Os brasileiros venceram por 3 a 0, com parciais de 15/12, 15/11 e 15/2, resultado que encerrou uma campanha de 24 vitórias seguidas dos norte-americanos. As duas equipes avançaram à decisão e, então, foi a vez de, para desespero do Brasil, os rivais darem o troco. Os Estados Unidos devolveram os 3 a 0, com parciais de 15/6, 15/6 e 15/7 e ficaram com o ouro. Em 1996, em Atlanta, Karch Kiraly, ao lado do parceiro Kent Steffes, ficou com o ouro no vôlei de praia. Kiraly se tornou o único jogador, até hoje, campeão olímpico na quadra e nas areias. Ele é considerado, por muitos, o maior jogador de vôlei de todos os tempos.

A vela voltou a fazer bonito em Los Angeles, com Daniel Adler, Ronaldo Camargo Ribeiro Senff e Torben Schmidt Grael conquistando a prata na classe Soling. Foi a primeira conquista olímpica d e Torben Grael, que conquistaria outros quatro pódios olímpicos, dois deles de ouro, e se tornaria, ao lado do também velejador Robert Scheidt, o mais vitorioso atleta olímpico brasileiro de todos os tempos, considerado um dos maiores nomes da vela da história.

Das piscinas, veio a prata de Ricardo Prado, nos 400m medley. E o judô fechou a conta, com a prata de Douglas Vieira, na categoria meio-pesado.

O judô se destaca
Douglas Vieira não foi o único judoca brasileiro a se destacar em Los Angeles. A modalidade foi a que mais conquistou pódios para o Brasil nos Estados Unidos, tendo sido responsável por mais dois bronzes, com Walter Carmona, na categoria médio, e com Luís Onmura, no peso leve.

Classificação por total de medalhas

* A medalha de ouro foi conquistada por Joaquim Cruz, nos 800m do atletismo. As de prata vieram no futebol masculino, no vôlei masculino, no judô, com Douglas Eduardo de Brito Vieira, na natação, com Ricardo Prado (400m medley), e na vela, com Daniel Adler, Ronaldo Camargo Ribeiro Senff e Torben Schmidt Grael, na classe Soling.  As medalhas de bronze foram conquistadas no judô, com Luiz Yoshio Onmura e Walter Carmona