Você está aqui: Página Inicial / Notícias / Edson Bindilatti será o porta-bandeira do Brasil na cerimônia de abertura das Olimpíadas de Inverno

Geral

05/02/2018 15h29

Olimpíadas de Inverno

Edson Bindilatti será o porta-bandeira do Brasil na cerimônia de abertura das Olimpíadas de Inverno

Piloto da equipe de bobsled chega à PyeongChang para a quarta participação olímpica. Delegação nacional tem dez atletas

Edson Bindilatti, integrante da equipe de bobsled, foi anunciado nesta segunda-feira (05.02) como o atleta que desfilará carregando a bandeira do Brasil durante a cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de PyeongChang 2018, a partir das 9h (de Brasília) do dia 9 de fevereiro. Em sua quarta participação olímpica, Bindilatti estará à frente dos outros nove atletas brasileiros que estão na Coreia do Sul para as competições.

A notícia chegou a Edson logo após a cerimônia de boas vindas da delegação na Vila Olímpica de PyeongChang. "Eu estava dando uma entrevista a uma TV coreana e ouvi o pessoal chamar, pois iriam anunciar o nome do porta-bandeira. Quando ouvi o Stefano (Arnhold, presidente da Confederação Brasileira de Desportos na Neve e chefe da delegação brasileira) falar que o porta-bandeira já estava em sua quarta Olimpíada de Inverno, pensei: só podem ser eu ou a Isabel Clark. E o coração disparou mesmo quando ele falou que o esporte do escolhido era o bobsled. Além de pensar em um pódio, acho todo atleta se imagina carregando a bandeira de seu país. Vai ser um sonho e já está sendo uma emoção gigante", conta Bindilatti. “Ele é um dos símbolos dos esportes de inverno no Brasil e merece a honra de desfilar com a bandeira brasileira na abertura dos Jogos Olímpicos”, disse Stefano Arnhold.

O piloto Edson Bindilatti vai disputar as provas de bobsled na categoria para duas pessoas e na prova com quatro atletas. Foto: Abelardo Mendes Jr./www.rededoesporte.gov.br

O frio intenso previsto para a noite de sexta-feira na região montanhosa de PyeongChang não assusta o baiano da cidade de Camamu e criado em São Paulo, onde moravam os pais adotivos Jair e Dirce. "Como é que vou sentir frio com milhões de pessoas me vendo?", brinca o atleta. "Não vou nem pensar nisso. A emoção vai tomar conta".

"Além de pensar em um pódio, acho todo atleta se imagina carregando a bandeira de seu país. Vai ser um sonho e já está sendo uma emoção gigante"
Edson Bindilatti

Bindilatti é o mais experiente da equipe nacional de bobsled, com o currículo olímpico carimbado com as marcas de Salt Lake City 2002, Turim 2006 e Sochi 2014. Ele é o piloto dos trenós do 4-man e do 2-men, que terá pela primeira vez participação brasileira. Além de Bindilatti, a equipe conta com Odirlei Pessoni, Rafael Souza, Edson Martins e o reserva Erick Vianna. Eles são treinados pela americana Shauna Rohbock, medalha de prata em Turim-2006 na modalidade e ex-jogadora de futebol profissional.

Aos 38 anos, ele afirma estar no auge e ainda poder contribuir com o esporte, tanto como competidor quanto na passagem do manche de direção para a próxima geração. "No bobsled, a carreira de um atleta é longeva. Em termos de comparação com outros esportes, temos a categoria Junior com competidores de até 25 anos, por exemplo. Como estou na função de piloto, corro cerca de 20 metros e entro no trenó, enquanto os outros companheiros correm mais outros 30 metros para empurrar mais forte. Por isso, a experiência e o maior tempo de pilotagem podem ser até mais importantes que a força física", explica. "Tenho certeza de que a Confederação Brasileira de Desportos no Gelo vai promover novas seletivas para captar mais atletas. E sempre os mais experientes acabam fazendo essa transição para um novo grupo. Enquanto isso, toda a minha dedicação será para fazer o melhor, tanto nas provas quanto nos ensinamentos para os próximos pilotos", completa.

» Muito mais que uma descida a 150 km/h: conheça a rotina da equipe brasileira de bobsled

 

No bobsled, a pilotagem é primordial: depois da largada, ele assume o comando e guia o trenó até a linha de chegada. O piloto precisa de bons reflexos e ter na mente cada metro da pista. Um único deslize e o erro pode resultar em uma capotagem e a consequente eliminação da equipe.

Edson Bindilatti, piloto das equipes de 4-man e 2-man do bobsled, será o responsável por carregar a bandeira do Brasil durante a Cerimônia de Abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno #Pyeongchang2018. Ele está em sua quarta edição de Olimpíada. pic.twitter.com/BV0qVekdDj

— Rede do Esporte (@RedeDoEsporteBr) February 5, 2018

Bolsa Atleta

Bindilatti e todos os outros representantes brasileiros em PyeongChang integram o programa Bolsa Atleta, do Ministério do Esporte. "Lutei muito para não deixar o bobsled morrer entre os brasileiros. Essa notícia de hoje é uma recompensa incrível. Mas reforço que, sem o apoio do Ministério do Esporte, isso não seria possível. Nós sabemos o quanto é difícil conseguir um patrocínio e, nesse ponto, a Bolsa Atleta e a Bolsa Pódio foram importantíssimas para esportes que não são muito populares no Brasil", finaliza.

O bobsled será uma das últimas modalidades a ter a disputa iniciada nesta edição dos Jogos Olímpicos. As provas do 2-man, quando Bindilatti terá a companhia de Edson Martins, estão marcadas para 18 e 19 de fevereiro. O 4-man começa no dia 23 e termina no dia seguinte.

De PyeongChang (Coreia do Sul), Abelardo Mendes Jr - rededoesporte.gov.br