Você está aqui: Página Inicial / Notícias / Daniel Dias e Alana Maldonado são os atletas paralímpicos do ano

Atletismo

04/12/2017 23h00

Prêmio Paralímpicos 2017

Daniel Dias e Alana Maldonado são os atletas paralímpicos do ano

O nadador e a judoca foram eleitos os melhores esportistas de 2017 durante o Prêmio Paralímpicos. André Rocha, por votação popular, levou o troféu Atleta da Galera

Alana ao lado de Mizael, Rogério Sampaio e Antônio Tenório na entrega do troféu de melhor atleta paralímpica de 2017. Felipe Rau/MPIX/CPB

A festa foi emocionante do início ao fim, mas dois momentos especiais marcaram a cerimônia do Prêmio Paralímpicos 2017, realizado na noite desta segunda-feira (04.12), na Sala São Paulo, no centro da capital paulista. Novidade deste ano, a categoria Atleta da Galera teve mais de 8 mil votos computados e premiou André Rocha, do atletismo, que não escondeu a surpresa e a felicidade. “Receber um prêmio por votação popular tem um gostinho especial, acho que o pessoal da minha cidade se mobilizou pelas redes sociais”, brincou.

Paulista de Taubaté, André se tornou campeão mundial este ano no lançamento de disco F52 em Londres. Para levar o troféu Atleta da Galera, ele conseguiu 60,31% dos votos. Em segundo lugar ficou a velocista Verônica Hipólito, com 22,34% e, em terceiro, Brendow Christian (17,35%), cuja especialidade são as provas de campo do atletismo. 

Quem também se emocionou foi a judoca Alana Maldonado. Além de receber o troféu de melhor atleta do judô no ano, ela levou o prêmio de melhor atleta paralímpica de 2017. O que ela não esperava era receber o troféu das mãos de dois campeões do judô: Rogério Sampaio, ouro na modalidade nos Jogos Olímpicos de Barcelona-1992 e hoje secretário Nacional de Alto Rendimento do Ministério do Esporte; e Antônio Tenório, ícone e multimedalhista do judô paralímpico brasileiro. O outro ídolo de Alana no palco era o presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), Mizael Conrado. “Para mim foi uma honra. Não esperava receber esse prêmio e ainda mais das mãos de três ídolos”, contou Alana.

Medalha de prata nos Jogos Paralímpicos Rio 2016, Alana este ano faturou o ouro na Copa do Mundo de judô paralímpico no Uzbequistão. É o segundo ano consecutivo que ela ganha como melhor atleta do judô no Prêmio Paralímpicos. “Estou muito feliz”, resumiu a judoca paulista de 22 anos, que compete no judô para cegos desde 2014.

No masculino, o prêmio de melhor atleta paralímpico do ano foi para o nadador Daniel Dias, que soma 24 medalhas em Jogos Paralímpicos. Como está no México disputando o Mundial de Natação, Daniel não pôde comparecer à entrega do prêmio, mas gravou um recado por vídeo. “Fico muito contente de receber mais uma vez essa premiação. É gratificante saber que tenho o carinho e a torcida das pessoas”, disse.

Rogério Sampaio destacou os resultados positivos conquistados pelo movimento paralímpico do Brasil e reiterou a parceria ativa entre o Ministério do Esporte e o CPB. “Eu acho que o paradesporto vem crescendo de maneira muito grande, embora este ano não tenha tido Jogos Paralímpicos, ainda assim se mostra um ano vitorioso, pelos resultados esportivos e pela organização do paradesporto. Esse é o momento de comemorar e de traçar novas metas para os próximos anos. O Ministério do Esporte apoia o paradesporto não é de hoje e, como parceiro, faz questão de estar presente”, falou.

Campeão mundial no lançamento de disco F52, André Rocha ganhou também o troféu Atleta da Galera no Prêmio Paralímpicos 2017. Foto: CPB

60 anos

Além dos melhores atletas do ano no geral, o Prêmio Paralímpicos 2017 também celebrou os esportistas que se destacaram em 25 modalidades (confira a lista abaixo). As homenagens se estenderam aos técnicos (no coletivo e no individual) e a personalidades que contribuíram para a história do esporte paralímpico no Brasil. A festa celebrou os 60 anos do movimento paralímpico no Brasil, que se iniciou em 1957 com a formação de uma equipe de basquete em cadeira de rodas.      

O presidente do CPB, Mizael Conrado, lembrou também a grande conquista de 2017: o Comitê venceu a licitação para ser gestor do Centro de Treinamento Paralímpico, em São Paulo, por pelo menos os próximos cinco anos. “É um sonho que hoje está materializado”, resumiu.

Outros prêmios

Para homenagear os 60 anos do movimento paralímpico no Brasil, a secretária de estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo, Linamara Rizzo Battistella, entregou o troféu a Sylvio Moreira, médico que começou a trabalhar com o esporte paralímpico na década de 1970, e Zaíra do Nascimento de Melo, enfermeira que fez parte do time médico do país em cinco Paralimpíadas. 
 
O Prêmio Aldo Miccolis, entregue a pessoas que dedicaram a vida ao esporte paralímpico, foi dado à deputada federal Mara Gabrilli (PSDB-SP), relatora da Lei Brasileira de Inclusão, também conhecida como Estatuto da Pessoa com Deficiência. 

Pedrinho Almeida, mentor do velocista Petrúcio Ferreira, foi escolhido como o melhor treinador individual, enquanto Fábio Vasconcelos, que dirige a seleção brasileira de futebol de 5, foi selecionado o melhor técnico de modalidades coletivas. Mariana D'Andréa, 19 anos, que está no México para a disputa do Mundial Paralímpico de Halterofilismo, foi selecionada como a revelação da temporada. 

A Associação Paralímpica de Indaiatuba (ADI APIN) faturou o Prêmio Clube Caixa 2017, que coroa o trabalho de um clube ou associação de destaque no ano. A ADI figura entre as três melhores do Brasil na natação desde 2011 e tem atletas na Seleção Brasileira adulta, de jovens e escolar. 

Premiados por modalidade: 

Atletismo - Petrúcio Ferreira
Basquete em cadeira de rodas - Gelson da Silva
Bocha - Evelyn Oliveira
Canoagem - Caio Ribeiro
Ciclismo - Lauro Chaman
Esgrima em cadeira de rodas - Jovane Guissone
Esportes na neve - Aline Rocha
Futebol de 5 - Ricardinho Alves
Futebol de 7 - Jan Francisco
Goalball - Josemarcio Sousa
Halterofilismo - Bruno Carra
Hipismo - Sérgio Oliva
Judô - Alana Maldonado
Natação - Daniel Dias
Parabadminton - Vitor Tavares
Parataekwondo - Débora Menezes
Remo - Jairo Klug
Rugby em cadeira de rodas - Julio Cézar Braz
Tênis de mesa - Danielle Rauen
Tênis em cadeira de rodas - Ymanitu Silva
Tiro com arco - Francisco Cordeiro
Tiro esportivo - Geraldo Von Rosenthal
Triatlo - Carlos Viana
Vela adaptada - Ana Paula Marques
Vôlei sentado - Fred Doria

 Mateus Baeta, de São Paulo - Ministério do Esporte