Você está aqui: Página Inicial / Notícias / Cefan, no Rio, inaugura primeiro Centro de Levantamento de Pesos do Brasil

Atletismo

25/11/2016 12h07

Rede Nacional de Treinamento

Cefan, no Rio, inaugura primeiro Centro de Levantamento de Pesos do Brasil

Instalação é considerada a mais moderna da América Latina e atenderá atletas olímpicos e paralímpicos

O ministro do Esporte, Leonardo Picciani, e o Comandante-Geral do Corpo de Fuzileiros Navais, Almirante de Esquadra (FN), Fernando Antonio de Siqueira Ribeiro, inauguraram nesta sexta-feira (25.11) o Centro Nacional de Levantamento de Pesos, no Rio de Janeiro. A instalação, no Centro de Educação Física Almirante Adalberto Nunes (Cefan), é a primeira do país exclusiva para modalidade e considerada a mais moderna do gênero da América Latina.

O centro foi construído com recursos do ministério e integra a Rede Nacional de Treinamento, em estruturação em todo o país. O ministério também investiu R$ 10,4 milhões na compra de equipamentos da modalidade para os Jogos Rio 2016, que serão utilizados na instalação, que atenderá atletas olímpicos e paralímpicos (halterofilismo).

11252016_levantamento_peso_32.jpeg
Atualmente, o Cefan conta com mais de 60 atletas de levantamento de peso olímpico. Foto: Emília Andrade/ME

Atualmente, o CEFAN conta com mais de 60 atletas de levantamento de peso olímpico. Alguns são oriundos dos projetos de base, como o Programa Forças no Esporte e já fazem parte da seleção brasileira adulta, somando mais de 150 medalhas nacionais e internacionais, além de diversos recordes na modalidade.

A utilização do centro permitirá o fortalecimento da modalidade, especialmente por parcerias com o Comitê Olímpico do Brasil, com o Comitê Paralímpico Brasileiro e com a Confederação Brasileira de Levantamento de Pesos, garantindo a realização de competições nacionais e internacionais a partir de 2017, assim como cursos, congressos e seminários.

Investimento

O Cefan recebeu, ao todo, R$ 19 milhões do ministério para reforma e construção de novas instalações para receber delegações estrangeiras como sede de treinamento para os Jogos Rio 2016 das modalidades de futebol, polo aquático e vôlei.

As intervenções incluíram, além do Centro Nacional de Levantamento de Pesos, a construção de dois campos de futebol que dispõem de sistema de captação de água da chuva e placas fotovoltaicas, prédio de apoio, calçamento nas vias de acesso, acessibilidade, e reformas no tanque de saltos ornamentais, nos vestiários, na piscina e no ginásio com quadra de vôlei climatizado.

A estrutura é utilizada por atletas de alto rendimento das Forças Armadas e por alunos de projetos sociais e de base desenvolvidos com o apoio do ministério.

11252016_levantamento_peso_chiquinho_1130.jpg
Ministro do Esporte, Leonardo Picciani, e o Almirante de Esquadra Fernando Ribeiro no Centro Nacional de Levantamento de Pesos

Apoio

O Ministério do Esporte também apoia a modalidade por meio do Bolsa Atleta, maior programa de patrocínio individual e direto do mundo. Entre 2012 e 2015, foram concedidas 267 bolsas para atletas olímpicos, totalizando mais de R$ 3,7 milhões. Outros três atletas foram apoiados ao longo do ciclo olímpico para os Jogos do Rio 2016 pela Bolsa Pódio. O investimento somou R$ 452 mil.

Já para os paralímpicos foram concedidas no período 138 bolsas, num investimento de R$ 2 milhões. Por meio da Bolsa Pódio, foram concedidas cinco bolsas, com investimento de R$ 888 mil entre 2013 e 2016.

Atualmente, 95 atletas olímpicos e paralímpicos da modalidade são contemplados pelo Bolsa Atleta, o que representa um investimento de R$ 1,3 milhão. Outros dois atletas paralímpicos são patrocinados pela Bolsa Pódio, num aporte de R$ 312 mil ao ano.

O resultado nos Jogos Rio 2016 já apontou um crescimento da modalidade. Nos Jogos Paralímpicos, o Brasil conquistou o primeiro pódio no halterofilismo, com Evânio Rodrigues levando a prata na categoria até 88kg. Nos Jogos Olímpicos, Rosane Santos (categoria até 53kg) e Fernando Reis (+105kg) também fizeram história. Ambos terminaram a competição na quinta colocação, bem próximos da medalha. Foi o melhor resultado do país em Jogos Olímpicos. 

Rede Nacional

Criada pela Lei 12.395/2011, a Rede Nacional de Treinamento tem como objetivo interligar as instalações esportivas e oferecer espaço para detecção de talentos, formação de categorias de base e treinamento de atletas e equipes, com foco em modalidades olímpicas e paralímpicas. Também pretende aprimorar e permitir o intercâmbio entre técnicos, árbitros, gestores e outros profissionais do esporte.

Fontes: Ministério do Esporte e brasil2016.gov.br