Você está aqui: Página Inicial / Casa Brasil / Ritual indígena marca manhã de sábado na Casa Brasil

Geral

17/09/2016 16h59

Dança típica

Ritual indígena marca manhã de sábado na Casa Brasil

Índios da Aldeia Mata Verde Bonita (RJ), representando o povo Guarani Mbiá, fizeram a Dança de Tangará, que marca a passagem da adolescência para a vida adulta

Foto: Rafael Azeredo / Casa Brasil
Foto: Rafael Azeredo / Casa Brasil

A Casa Brasil recebeu neste sábado (17) um grupo de índios da aldeia Mata Verde Bonita, de Maricá (RJ), para uma apresentação no Espaço Multiuso do Armazém 1. O evento foi promovido pelo Ministério do Esporte com o objetivo de dar visibilidade à cultura dos povos indígenas.

Os índios chamaram a atenção dos visitantes da Casa Brasil, pois atravessaram cantando os pavilhões dos Armazéns 1 e 2 até chegar ao local da apresentação. Representando o povo Guarani Mbiá, 16 homens e mulheres fizeram a Dança de Tangará, que marca o fim da adolescência e o início da fase adulta. O pássaro que dá nome à coreografia representa o guardião da aldeia. A manifestação remete ainda à dança do acasalamento e à preparação dos indígenas guerreiros.

Foto: Rafael Azeredo / Casa Brasil

"O povo do Rio de Janeiro merece mais informações sobre os índios. Eu já tinha vindo à Casa Brasil anteriormente, agora, imagina, estar aqui com meu grupo se apresentando. É mais do que maravilhoso. Quando falam sobre os índios, parece uma coisa que está no livro e não sai do livro: 'antigamente os índios viviam assim, usavam tal tanga...". Estão errados! Por trás da palavra 'índio' existe muita riqueza e conhecimento. É legal conhecer a fundo o que tem de importante para o povo brasileiro", ressaltou o cacique Tupã.

De acordo com Tupã, no Rio de Janeiro existem oito aldeias da nação Tupi Guarani. A aldeia Mata Verde Bonita existe há três anos e tem cerca de 80 índios, entre adultos e crianças. "A aldeia está aberta para visitação, queremos ser conhecidos e aprender com o próximo", explicou.

Entre o público que assistiu à apresentação estava um grupo de 40 alunos com deficiência do Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro (Iserj). Fernanda Soares, uma das alunas, ficou emocionada ao ver os índios. "Lembrei da minha avó, que era índia. Eu nunca tinha vindo à Casa Brasil, foi a primeira vez, adorei", completou.

Equipe Casa Brasil